Páginas

Crônicas de uma caridade




Se eu falar que isso é uma historia real, talvez muitos não acreditem em mim, mas ainda sim, não posso mentir. Essa é a crônica que presenciei com meus olhos, já faz algum tempo, contudo marcou-me de tal maneira que ainda lateja dentro de mim quando ando pelas ruas do Rio de Janeiro.
Não me recordo de muitos detalhes, porém me lembro de ser sábado. Um dia bem ensolarado que sai com meu pai. Caminhamos de maneira calma até o carro e ficamos rodando a cidade, não sei o que íamos fazer, todavia demos uma boa volta. Era engraçado, pois tínhamos as nossas brincadeiras particulares e adorávamos ouvir musicas e cantá-las bem alto.
Estávamos voltando para a casa da minha avó, encontrar minha mãe para almoçarmos. Faltavam algumas umas para chegarmos ao destino. Paramos em um cruzamento. Naquele momento, estávamos em silencio curtindo a musica. Prestava atenção no que acontecia em volta, quando vi...
Era uma senhora, não era muito idosa, mas já devia ter uma idade considerável. Ela andava com um carrinho de compras e muitas sacolas, ela atravessava a outra rua daquele cruzamento. O que mais me chamou atenção foi, que mesmo ela com muitas coisas, tentava mexer na bolsa de maneira desajeitada. Pensava com meus miolos que boa coisa não iria resultar dali. Estava certa. Segundos depois de pensar, uma nota de dez reais caiu da bolsa dela. A senhora de tão apressada nem percebeu e chegou do outro lado.
A nota ficou estendida pela rua, mas não por muito tempo. Uma menina de uns 10 anos, saiu correndo assim que o dinheiro pousou no chão. Considerei o dinheiro perdido e torcia para que não fosse fazer falta para ela.
Contudo, qual não foi a minha surpresa ao vê-la correndo na mesma direção que a senhora. Agora, eu dei uma boa olhada na pequena, ela era bem magrinha, o chinelo parecia ponto de arrebentar, estava suja e em um das mãos tinha uma caixa, que me pareceu de doces.
A garotinha conseguiu alcançar a moça, e para ter sua atenção, tocou na barra da sua blusa. Assim que a senhora pós os olhos nela, segurou a bolsa mais forte e possuía uma expressão de medo e nojo. Pude perceber que a menina ficou envergonhada, e rapidamente, retirou a mão da roupa dela, ficando a mirar o chão. A senhora ia voltar a andar, pude ver a perna dela se mexendo de leve. Todavia, a menina disse algo e levantou a nota, entregando-a.
As expressões da mulher variavam, mas terminou com um sorriso gentil nos lábios. Ela tocou nos cabelos mau-arrumados da menina, para em seguida pousar sua mãos sobre a dela e fechar a nota, deixando assim, a nota com a pequena garota. Acredito que ela tenha dito algo como:
-Obrigada, agora é seu!
A menina parecia incerta, mas seu olhar estava fixo em uma padaria. Ela disse algo a mais velha algo engraçado. Ambas sorriram.
O sinal abriu, meu pai continuou nosso caminho, a última coisa que vi foi uma pequena menina correndo para uma lanchonete com um sorrio que poderia iluminar o mundo inteiro. Vi também a senhora com a mão no peito e um sorriso no rosto.
Não há palavras para descrever como estava. Tudo aconteceu tão rápido, ainda assim foi inesquecível. Apenas digo, não perca as esperanças na raça humana....

Notas da autora:
Muito obrigada pela sua atenção, espero que tenha gostado. 
O texto foi escrito por mim e a foto foi retirada da internet...
Aqui está o link: http://cdcc.usp.br/ciencia/artigos/art_26/sartreimagem/caridade.gif